BAGAÇO DE MALTE COMO SUPLEMENTO NUTRICIONAL NO CULTIVO DE Pleurotus ostreatus

Autores

  • Ana Carolina Marques de Oliveira
  • Márcia Tidemann
  • Olívia Gomes Martins
  • Meire Cristina Nogueira de Andrade

DOI:

https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2021v36n1p155-164

Resumo

BAGAÇO DE MALTE COMO SUPLEMENTO NUTRICIONAL NO CULTIVO DE Pleurotus ostreatus

 

ANA CAROLINA MARQUES DE OLIVEIRA1, MÁRCIA TIDEMANN2, OLÍVIA GOMES MARTINS3, MEIRE CRISTINA NOGUEIRA DE ANDRADE4

 

1 Graduanda em Ciências Biológicas, Centro Universitário Sagrado Coração – Unisagrado, R. Irmã Arminda, 10-50 - Jardim Brasil, 17011-160 Bauru, SP, Brasil. E-mail: carol_marques@outlook.com.br

2 Tecnóloga em Produção Industrial, Faculdade de Tecnologia de Botucatu (FATEC), Av. José Ítalo Bacchi, s/n - Jardim Aeroporto, 18606-851, Botucatu, SP, Brasil. E-mail: mtid2003@yahoo.com.br

3 Doutoranda em Agronomia – Energia na Agricultura, Faculdade de Ciências Agronômicas, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho" (UNESP), Av. Universitária, 3780 - Altos do Paraíso, 18610-034, Botucatu, SP, Brasil. E-mail: oliviagmartins@gmail.com

4 Docente da Faculdade Gran Tietê, Av. 15 de Novembro, 125 - Centro, 17340-000, Barra Bonita, SP, Brasil. E-mail: mcnandrade@hotmail.com

 

RESUMO: O estudo objetivou avaliar o uso do bagaço de malte para cultivar duas linhagens de P. ostreatus (MB e SB), avaliando a caracterização química dos substratos, a massa e o número de cachos produzidos. Os substratos foram preparados à base de bagaço de cana-de-açúcar e serragem de eucalipto, suplementados com farelo de trigo (suplementação tradicional) ou bagaço de malte em substituição ao farelo em diferentes proporções (S1=0%, S2=10% e S3=20%). A linhagem SB resultou em massa média de 163,70 g e 22,66 cachos, superior à linhagem MB, com média de 121,70 g e 17,54 cachos. O substrato S1 resultou em uma massa média de 196,08 g e 28,62 cachos, o S2 em 154,20 g e 19,50 cachos e o S3 em 77,81 g e 12,18 cachos. Os resultados sugerem que suplementar o substrato com bagaço de malte pode afetar características químicas do substrato. A suplementação com até 10% de bagaço de malte, em comparação com a suplementação tradicional (farelo de trigo), não afetou significativamente a massa produzida pelo P. ostreatus, mas diminuiu o número de cachos. A linhagem SB obteve desempenho agronômico superior à linhagem MB.

 

Palavras-chave: aproveitamento, resíduos, produtividade, cogumelos.

 

MALT BAGASSE AS A NUTRITIONAL SUPPLEMENT IN THE CULTIVATION OF Pleurotus ostreatus

 

ABSTRACT: The study aimed to evaluate the use of malt bagasse to cultivate two strains of P. ostreatus (MB and SB), evaluating the chemical characterization of the substrates, the mass and the number of bunches of fruiting bodies produced. The substrates were prepared based on sugarcane bagasse and eucalyptus sawdust, supplemented with wheat bran (traditional supplementation) or malt bagasse in substitution to the bran in different proportions (S1=0%, S2=10% and S3=20%). The SB strain resulted in an average mass of 163.70 g and 22.66 bunches, superior to the the MB strain, with an average of 121.70 g and 17.54 bunches. The substrate S1 resulted in an average mass of 196.08 g and 28.62 bunches, S2 in 154.20 g and 19.50 bunches and S3 in 77.81 g and 12.18 bunches. The results suggest that supplementing the substrate with malt bagasse may affect the chemical characteristics of the substrate. Supplementation with up to 10% malt bagasse, compared to traditional supplementation (wheat bran), did not significantly affect the mass produced by P. ostreatus, but decreased the number of bunches of fruiting bodies. The SB strain obtained an agronomic performance superior to the MB strain.

 

Keywords: repurposing, residues, productivity, mushrooms.

Publicado

2021-07-20

Como Citar

Oliveira, A. C. M. de, Tidemann, M. ., Martins, O. G., & Andrade, M. C. N. de. (2021). BAGAÇO DE MALTE COMO SUPLEMENTO NUTRICIONAL NO CULTIVO DE Pleurotus ostreatus. ENERGIA NA AGRICULTURA, 36(1), 155–164. https://doi.org/10.17224/EnergAgric.2021v36n1p155-164

Edição

Seção

Processamento e Balanço Energético de Produtos e Derivados Agropecuários