A POLÍTICA DE CRÉDITO RURAL E OS FINANCIAMENTOS À CULTURA DA MANDIOCA NO ESTADO DO PARÁ, 1990-2012

José Farias Costa, Marcos Antônio Souza dos Santos, Fabrício Khoury Rebello, Andréia Damasceno Costa, Josiane Santos da Silva

Resumo


O artigo avalia os efeitos da política de crédito rural sobre a produção de mandioca (Manihot esculenta Crantz) no estado do Pará, entre os anos de 1990 e 2012. Os dados obtidos junto ao Anuário Estatístico do Crédito Rural do Banco Central do Brasil (BACEN) e da Produção Agrícola Municipal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os valores monetários foram deflacionados e analisados por meio de estatística descritiva e análise de regressão e correlação, objetivando avaliar o comportamento dos financiamentos. No período avaliado, foram aplicados R$ 14,87 bilhões de recursos do crédito rural no estado do Pará, em 847.978 contratos. Deste montante, R$ 440,90 milhões foram destinados à produção de mandioca, em 84.829 contratos, ou seja, 2,96 % do valor total e 10 % dos contratos. Os coeficientes de correlação entre crédito rural e as variáveis produção, área colhida e produtividade foram positivos e estatisticamente significativos, mas o maior impacto da alocação dos recursos foi sobre a expansão da área colhida. Os resultados encontrados indicam que a política de crédito rural na região deve priorizar financiamentos que estimulem a adoção de tecnologias modernas, com impactos positivos em ganhos de produtividade, como forma de se atingir níveis mais elevados de desenvolvimento, revertidos em benefícios econômicos, sociais e ambientais para o conjunto da sociedade paraense. 


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17766/1808-981X.2016v12n1p1-14

Apontamentos

  • Não há apontamentos.