COEFICIENTE DE CULTIVO E EXTRAÇÃO DE NITRATO E POTÁSSIO DA BANANEIRA ‘PRATA GORUTUBA’

  • Beatriz Santos Conceição Universidade Federal de Viçosa
  • Eugênio Ferreira Coelho Pesquisador, Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, BA.
  • Mauro Aparecido Martinez Professor, DEA-UFV, Viçosa-MG
  • José Antonio do Vale Sant’Ana Professor, IFMT, Confressa-MT
  • João José da Silva Junior Professor, UNB, Brasilia-DF
  • Alisson Jadavi Pereira da Silva Professor, IFBaiano, Senhor do Bonfim-BA.

Resumo

COEFICIENTE DE CULTIVO E EXTRAÇÃO DE NITRATO E POTÁSSIO DA BANANEIRA ‘PRATA GORUTUBA’

 

 

BEATRIZ SANTOS CONCEIÇÃO1; EUGÊNIO FERREIRA COELHO2; MAURO APARECIDO MARTINEZ3; JOSÉ ANTONIO DO VALE SANT’ANA4; JOÃO JOSÉ DA SILVA JUNIOR5 E ALISSON JADAVI PEREIRA DA SILVA6

 

¹ Instituto Federal do Mato Grosso, IFMT, Avenida Vilmar Fernandes,300,Confresa-MT,e-mail: biasantos1@hotmail.com

²Embrapa Mandioca e Fruticultura, Rua Embrapa s/n, caixa postal 007, Cruz das Almas- BA, e-mail: eugenio.coelho@embrapa.br

3Departamento de Engenharia Agrícola ,UFV, Avenida Peter Henry Rolfs, s/n, Campus Universitário, Viçosa – MG. CEP: 36570-900,  e-mail: mmauro@ufv.br

4Instituto Federal do Mato Grosso, IFMT, Avenida Vilmar Fernandes,300,Confresa-MT,e-mail: jose.santana@cfs.ifmt.edu.br

5Universidade de Brasília, UNB, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Brasilia-DF,e-mail: joaojsjunior@outlook.com

6Instituto Federal Baiano, IFBaino,Estrada da Igara, s/n-Zona Rural, Senhor do Bonfim-BA e-mail: alissonagr@gmail.com)

 

 

1 RESUMO

 

Objetivou-se com este estudo determinar o coeficiente de cultivo (Kc) para bananeira ‘Prata Gorutuba’ e avaliar a quantidade de nitrato e potássio extraído pela cultura em lisímetro de drenagem, em condições de fertirrigação. Os tratamentos utilizados foram obtidos pela combinação de dois tipos de solos de textura distinta (Argiloso arenoso e Areia franca) e três concentrações (3,0 g L-1, 6,0 g L-1 e 9,0 g L-1) para aplicação do nitrato de potássio na água de irrigação, que foram distribuídos em delineamento experimental inteiramente casualizado com quatro repetições. Os maiores valores médios da evapotranspiração foram obtidos para o solo argilo arenoso, fato refletido no Kc, em que esse solo apresentou maiores valores, o que pode ser atribuída as diferenças de evaporação da água no solo. Em todas as três concentrações avaliadas a quantidade de nitrato e potássio extraído foi crescente até a fase de floração, havendo decréscimo na fase de floração a frutificação, sendo as quantidades de potássio extraído superiores aos valores de nitrato. Verificou-se que qualquer uma das três concentrações (3,0; 6,0 e 9,0 g L-1) podem ser utilizadas na fertirrigação com nitrato de potássio sem prejuízos para cultura, conforme os valores de nitrato observados na solução do solo que ficaram dentro dos limites aceitáveis (abaixo de 400 mgL-1).

 

Palavras-chave: Evapotranspiração; Fertirrigação; Absorção.

 

 

CONCEIÇÃO, B. S.; COELHO, E. F.; MARTINEZ, M. A.; SANT’ANA, J. A. V.; SILVA JUNIOR, J. J. da; SILVA, A. J. P. da

CROP COEFFICIENT AND EXTRACTION OF NITRATE AND POTASSIUM FROM “PRATA GORUTUBA” BANANA

 

 

 

 

2 ABSTRACT

 

The objective of this paper was to determine the cultivation coefficient (Kc) for “Prata Gorutuba” banana and to evaluate the amount of nitrate and potassium extracted by the crop in a drainage lysimeter under fertigation conditions. The treatments were obtained by the combination of two types of different textured soils and three concentrations for the application of potassium nitrate in irrigation water, which were distributed in a completely randomized experimental design with four replications. The highest mean values of evapotranspiration were obtained for sandy clay soil, a fact reflected in Kc, in which this soil had higher values, which can be attributed to differences in water evaporation in the soil. In all three concentrations evaluated, the amount of nitrate and potassium extracted increased until the flowering phase, with fruiting decreasing in the flowering phase, with the amount of potassium extracted being higher than the nitrate values. It was found that any of the three concentrations (3, 6 and 9 g L-1) can be used in fertigation with potassium nitrate without crop damage, according to the nitrate values observed in the soil solution, which were within acceptable limits (Below 400 mgL-1).

 

Keywords: Evapotranspiration; Fertigation; Absorption.

Biografia do Autor

Beatriz Santos Conceição, Universidade Federal de Viçosa
Doutoranda em Engenharia Agrícola e ambiental pela Universidade Federal de Viçosa-UFV. Mestre em Recursos Hídricos em Sistema Agrícola pela Universidade Federal de Lavras-UFLA. Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, participou do Programa de Educação Tutorial (PET) do curso de Agronomia. Foi estagiária da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, bolsista de iniciação cientifica FAPESB. Têm experiência na área de Agronomia com ênfase em Solos e Irrigação e também Recursos Hídricos.
Eugênio Ferreira Coelho, Pesquisador, Embrapa Mandioca e Fruticultura, Cruz das Almas, BA.
possui graduação em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (1981), mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (1984) e doutorado em Engenharia de irrigação- Utah State University (1996). Atualmente é membro do corpo docente da Pós-graduação do Centro Ciencias Agrárias da Universidade Federal do Reconcavo da Bahia e pesquisador A da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Irrigação e Drenagem, atuando principalmente nos seguintes temas: manejo de irrigação, fertirrigação, banana, mamoeiro e manejo de fertirrigação.
Mauro Aparecido Martinez, Professor, DEA-UFV, Viçosa-MG
Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Viçosa(1978), mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa(1981) e doutorado em Engenharia Agrícola pela Purdue University(1989). Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Viçosa, Revisor de periódico da Engenharia na Agricultura, Revisor de periódico da Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental e Revisor de periódico da Engenharia Agrícola. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Engenharia de Água e Solo. Atuando principalmente nos seguintes temas:Métodos Numéricos, Simulacao, Elementos Finitos, Modelo Matematico, Diferencas Finitas, Movimento de Agua No Solo, Brooks e Corey, Campbell, Van Genuchten, Simulacao e Drenagem Subterranea.
José Antonio do Vale Sant’Ana, Professor, IFMT, Confressa-MT
Engenheiro agrônomo, formado pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Estagiário da Embrapa Mandioca e Fruticultura Tropical, atuando na área de Irrigação e Drenagem, com ênfase nos seguintes temas: manejo de irrigação e fertirrigação, banana, mamoeiro (2006 a 2009). Mestre em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas (2011) e Doutor em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas (2015) pela Universidade Federal de Lavras, Departamento de Engenharia Agrícola, Linha de Pesquisa Engenharia e Manejo de Irrigação e Drenagem. Professor substituto do Instituto de ciências Agrárias da Universidade Federal de Uberlândia, ministrando a disciplina de Irrigação e Drenagem para os cursos de Agronomia e Engenharia Ambiental (2013 a 2015). Atualmente é Professor do IFMT, Campus Confresa, ministrando aulas nas disciplinas de Hidráulica, Irrigação e Drenagem.
João José da Silva Junior, Professor, UNB, Brasilia-DF
Professor Adjunto na Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária FAV/UNB, atuou como instrutor na formação profissional rural pelo SENAR/MG capacitando trabalhadores nas seguintes atividades: operação e manejo de sistemas de irrigação localizada (microaspersão e gotejamento), sistemas convencionais de irrigação por aspersão convencional, e sistemas de irrigação por aspersão autopropelido. Foi Professor Substituto no Departamento de Engenharia Agrícola da UFLA no período de fevereiro a julho de 2013 ministrando as disciplinas de Qualidade Ambiental e Saneamento I. Possui Doutorado pelo programa de pós-graduação em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas da Universidade Federal de Lavras, Área de concentração de Engenharia de água e solo. Foi Tutor a Distância no curso de Pós-graduação Lato Sensu em Educação Ambiental UFLA/UAB/CEAD das disciplinas de Avaliação de Projetos Ambientais, Gestão de Movimentos da Juventude e Ambiente de Orientação do TCC. Atuou como tutor das disciplinas Antropologia I e II e de Sociologia I, II e III do curso de Pedagogia a distância da UFLA/UAB/CEAD . Foi estagiário do PET/Agronomia (Programa de Educação Tutorial) da Universidade Federal do Recôncavo Baiano no período de Julho de 2003 a Janeiro de 2009 . Têm experiência na área de irrigação e na área de manejo de fertirrigação foi estagiário da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária EMBRAPA CNPMF Laboratório de Irrigação e Fertirrigação de fruteiras tropicais .Têm experiência na área de Ciência e Tecnologia de Alimentos, com ênfase em Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal, e de pós colheitas de frutos tropicais atuando principalmente nos seguintes temas: acerola, caracterização físico-química, opuntia ficus, caracterização física., propagação, vegetativa e umbu-cajazeira, populações, variabilidade genética.
Alisson Jadavi Pereira da Silva, Professor, IFBaiano, Senhor do Bonfim-BA.
Engenheiro Agrônomo, formado pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (2002-2007). Mestre em Ciências - Irrigação e Drenagem pela Universidade de São Paulo - USP (2007-2009). Doutor em Ciências Agrárias - Agricultura Irrigada e Sustentabilidade de Sistemas Hidroagrícolas pela UFRB (2011-2013). Atualmente é Professor do Instituto Federal Baiano (IF Baiano). É docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). É docente permanente do Curso de Mestrado Profissional em Produção Vegetal no Semiárido do IF Baiano. Ministra as disciplinas: Dinâmica de Água no Solo, Estatística Experimental, Irrigação e Hidráulica. Atua principalmente nos seguintes temas: manejo de irrigação, TDR, captação de água da chuva, drenagem, sistemas e manejo de irrigação de baixo custo.
Publicado
2018-06-18
Seção
Artigos