ÁREA CULTIVADA COM CANA-DE-AÇÚCAR CONFRONTADA COM O ZONEAMENTO AGROAMBIENTAL UTILIZANDO ANÁLISE SUPERVISIONADA DE IMAGEM

Thiago Santos Teofilo, Célia Regina Lopes Zimback, Zacarias Xavier De Barros

Resumo


A cultura da cana-de-açúcar tem significativa importância econômica no estado de São Paulo. Apesar do Estado ser o maior produtor de cana-de-açúcar do país, está ocorrendo um aumento das áreas cultivadas com cana-de-açúcar, que incorporam áreas cultivadas  por outras lavouras. Entretanto, a expansão desordenada das áreas cultivadas com cana-de-açúcar pode acarretar diversos problemas ambientais. Nesse sentido visando ordenar a ocupação do solo e orientar o licenciamento ambiental foi elaborado o Mapa de Zoneamento Agroambiental para o setor sucroalcooleiro paulista, regulamentado pela Resolução Conjunta SMA/SAA nº 04/2008 e foi alterada pela Resolução Conjunta SMA/SAA nº 06/2009. Com o uso de imagens de satélite em conjunto com Sistema de Informação Geográfica (SIG) informações precisas sobre a cultura podem ser obtidas com maior rapidez, o que pode ser um grande diferencial na elaboração de estratégias de manejo, armazenamento, comercialização, no suporte de decisões governamentais e para fiscalização das áreas com cana-de-açúcar pelos órgãos ambientais. Neste trabalho foi analisado o conflito das áreas cultivadas com a cultura da cana-de-açúcar e o Zoneamento Agroambiental do Estado de São Paulo, utilizando análise supervisionada de imagens. A área de estudo foi o município de São Manuel/SP. O SIG – Idrisi 17 (Selva) foi utilizado para o processamento da imagem do satélite Landsat – 5, sensor TM, órbita/ponto 220/76, com passagem em 15.06.2011. O trabalho tem por objetivo verificar se o cultivo da cultura da cana-de-açúcar está de acordo com o que foi regulamentado pela Resolução Conjunta SMA/SAA nº 06/2009. No trabalho foi constatado que a área cultivada com cana-de-açúcar em áreas adequadas foi de 20.001,71 ha, em áreas adequadas com limitações ambientais foi de 2.783,23 ha, em áreas adequadas com restrições ambientais foi de 10.597,20 ha e em área inadequadas foi de 476,00 ha.

Palavras-chaves: Cana-de-açúcar, landsat, sensoriamento remoto.

SUGARCANE CONFRONTED WITH AGRO-ENVIRONMENTAL ZONES USING IMAGE SUPERVISED ANALYSES

ABSTRACT: The cultivation of sugarcane is of economical significant importance in Sao Paulo state. Despite that the state is the sugarcane leading producer in Brazil, the areas cultivated with sugarcane are still increasing, incorporating areas cultivated with other crops. However, the disorderly expansion of areas cultivated with sugarcane may lead to several environmental problems. The Agro-environmental Zoning Map of sugarcane in São Paulo was elaborated to serve as a guide to land management, sugarcane storage and marketing, to support government decisions and to assist the inspection by environmental agencies. It was regulated by the Resolution SMA/SAA nº04/2008 and amended by Resolution SMA/SAA nº 06/2009. Accurate information about the sugarcane area can be quickly obtained with the use of satellite imagery associated with Geographic Information System (GIS). The conflict between sugarcane areas and sugarcane agro-environmental zoning in Sao Paulo was analyzed in this study, using image supervised classification. The study area is located in the city of Sao Manuel, central-western of Sao Paulo state. The GIS - Idrisi 17 (Selva) - was used for processing the images from Landsat - 5 TM satellite, (path-row:220/76), acquired in 15th of July, 2011. The aim of this study was to verify if the cultivation of the sugarcane is occurring in accordance with what has been regulated by the Resolution SMA/SAA nº06/2009. In this study, it was observed that the area cultivated with sugarcane in appropriate areas was 20.001,71 ha, in appropriate areas with environmental limitations was 2.783,23 ha, in appropriate areas with environmental restrictions was 10.597,20 ha and in inadequate areas was 476,00 ha.

KEYWORDS: Sugarcane, landsat, remote sensing.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.17224/EnergAgric.2015v30n2p137-142