PRODUTIVIDADE, DESEMPENHO OPERACIONAL E ECONÔMICO DA SEMEADURA DE SOJA COM INOCULAÇÃO VIA SULCO

  • Tiago Pereira da Silva correia Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária.
  • Paulo Roberto Arbex Silva Professor da FCA/UNESP, departamento Engenharia Rural.
  • Gil Miguel Sousa Câmara Professor associado da Esalq
  • Leandro Augusto Felix Tavares Professor adjunto da UFVJM campus de Unaí-MG
  • Francisco Faggion Professor adjunto da FAV/UnB.

Resumo

RESUMO: Atualmente, umas das formas de inoculação da cultura da soja é através da aplicação de inoculante via sulco de semeadura, ou simplesmente inoculação via sulco. Entretanto, são restritas as informações que embasam essa operação e fundamentam sua eficiência em ambientes distintos de cultivo de soja. Sendo assim, o objetivo deste trabalho foi avaliar a produtividade, o rendimento operacional e econômico da semeadura de soja inoculada via sulco de semeadura, em áreas com e sem histórico de cultivo da cultura. O experimento foi realizado entre novembro de 2014 e março de 2015, na Fazenda Santa Fé em Pardinho/SP. Os fatores utilizados para a composição dos tratamentos foram: inoculação via sulco (taxas de aplicação 10, 20, 30, 40 e 50 L ha-1) e doses de inoculante (1,2x106; 3,6x106 e 6,0x106 UFC por semente). Os tratamentos foram experimentados em duas áreas distinta, área A, com histórico de inoculação e cultivo de soja em plantio direto, e a área B, sem histórico de inoculação e utilizada com pastagem degradada. Foram realizadas avaliações de produtividade de grãos, capacidade de campo operacional, custo operacional e relação benefício/custo da operação de semeadura com inoculação via sulco. A semeadora utilizada foi a modelo JD2113CCS de 12 linhas espaçadas em 0,5 m, equipadas com pontas de pulverização StreamJet® TP0001SS para aplicação de inoculante no sulco de semeadura. Os dados de produtividade foram submetidos a análise de variância, separadamente para a área A e B, segundo um delineamento inteiramente casualizados em um arranjo fatorial 5´3. A análise de variância dos dados foi realizada usando o procedimento Mixed do software estatístico SAS 9.2. Pelo teste de F foi considerado o nível de 5% de probabilidade para efeito de significância. Os resultados indicaram que em ambas as áreas a produtividade de grãos é maior utilizando maior dose de inoculante (6x106 UFC por semente) e maior taxa de aplicação (50 L ha-1). Maior capacidade de campo e menor custo operacional são obtidos com menor taxa de aplicação (10 L ha-1), entretanto, a melhor relação benefício/custo é obtida com taxa de aplicação de 20 L ha-1 e maior dose de inoculante.

Biografia do Autor

Tiago Pereira da Silva correia, Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária.
RESIDÊNCIA EM CIÊNCIAS AGRÁRIA PELA FCA/UNESP, MESTRADO E DOUTORADO PELA MESMA INSTITUIÇÃO NO PROGRAMA ENERGIA NA AGRICULTURA. PROFESSOR ADJUNTO DA UnB, DEPARTAMENTO: FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA (FAV/UnB).
Paulo Roberto Arbex Silva, Professor da FCA/UNESP, departamento Engenharia Rural.
Professor da FCA/UNESP, departamento Engenharia Rural.
Gil Miguel Sousa Câmara, Professor associado da Esalq
Professor associado da Esalq, departamento: produção vegetal.
Leandro Augusto Felix Tavares, Professor adjunto da UFVJM campus de Unaí-MG
Professor adjunto da UFVJM campus de Unaí-MG, departamento: Engenharia Agrícola.
Francisco Faggion, Professor adjunto da FAV/UnB.
PROFESSOR ADJUNTO DA UnB, DEPARTAMENTO: FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA (FAV/UnB).
Publicado
2018-08-01
Seção
Automação e Otimização de Máquinas e Equipamentos Agrícolas